Plakatstil: O início do design corporativo

Lucian Bernhard, pseudônimo de Emil Kahn, foi um designer gráfico e tipógrafo alemão responsável por ajudar a desenvolver o estilo conhecido com Plakatstil, iniciado nos primeiros anos do século XX.

Seu primeiro trabalho foi o pôster com o qual participou de um concurso patrocinado pelos fósforos Priester. A reação inicial do júri foi de total rejeição ao estilo, mas um jurado resgatou o trabalho da lata de lixo e depois de estudar a imagem convenceu o resto do júri e o primeiro cartaz de Bernhard reduziu a comunicação a uma palavra e dois palitos de fósforos.

Pôster do concurso organizado pela empresa de fósforos Priester, Lucian Bernhard, 1903.
Pôster do concurso organizado pela empresa de fósforos Priester, Lucian Bernhard, 1903.

O estilo era caracterizado pelas fontes bold, cores chapadas, formas e objetos geométricos e simplificados. O tema central da peça era sempre mais detalhado, priorizando a objetividade da mensagem a ser transmitida. Essa simplicidade dava destaque ao produto e a marca, sendo um contraponto a complexidade da Art Nouveau, o estilo que predominava nos primeiros pôsteres até então.

Pôster para a Opel Automobile, Rudi Erdt, 1911.
Pôster para a Opel Automobile, Rudi Erdt, 1911.

O Plakatstil ajudou a criar uma visão mais moderna sobre a arte do pôster e, consequentemente, definiu algumas características que norteariam o design modernista.

Pôster para a Adler Typewriters, Lucian Bernhard, 1908.
Pôster para a Adler Typewriters, Lucian Bernhard, 1908.

Antes de partir de Berlim para Nova York, nos anos 1920, Bernhard produziu centenas de pôsteres para grandes corporações, com a fábrica de sapatos Stiller, a Adler Typewriters, mas ficou conhecido por seu trabalho na fábrica de cigarros Manoli.

Pôster para a fábrica de sapatos Stiller, Lucian Bernhard, 1908.
Pôster para a fábrica de sapatos Stiller, Lucian Bernhard, 1908.

Cigarros Manoli


A Manoli foi uma fábrica de cigarros alemã fundada por Jacob Mandelbaum em 1987. Inicialmente chamada de Zigaretten-Fabrik Argos (Fábrica de Cigarros Argos), a Manoli ficou conhecida por seu excelente design de embalagem e por toda a linguagem visual utilizada nos produtos, caminhões, vitrines e materiais promocionais. Foi um dos primeiros exemplos do que viria a ser conhecido como design corporativo.

Linha gráfica dos cigarros Manoli (antigo visual à esquerda).
Linha gráfica dos cigarros Manoli (antigo visual à esquerda).

Desde o início a Manoli empregou artistas gráficos e pintores em seus projetos de embalagens, pôsteres e anúncios. Muitos desses artistas eram ligados a Deutscher Werkbund (Federação Alemão do Trabalho), uma associação de artistas, artesãos e publicitários, fundada em Munique que pretendia melhorar o trabalho profissional através da ação conjunta da arte, da indústria e do artesanato.

Porém foi só quando Lucian Bernhard começou a trabalhar na Manoli que a empresa conseguiu dar um caráter distinto e original para seus produtos. Bernhard era o principal responsável pelo design da embalagem, enquanto Julius Klinger e Hans Rudi Erdt eram responsáveis pelos anúncios. Klinger e Rudi Erdt se tornariam dois grandes artistas gráficos influenciados pelo Plakatstil de Bernhard. Porém, foi Bernhard que criou alguns dos pôsteres da Manoli que viriam a se tornaram clássicos do design.

Pôster para a fábrica de cigarros Manolli, Lucian Bernhard, 1910.
Pôster para a fábrica de cigarros Manolli, Lucian Bernhard, 1910.

Posteriormente, em 1910, Bernhard redesenhou o logotipo corporativo da Manoli. Influenciado pela Neue Sachlichkeit (Nova Objetividade) o logo foi reduzido a um M inserido dentro de um círculo.

Pôster e logo da fábrica de cigarros Manolli, Lucian Bernhard, 1915.
Pôster e logo da fábrica de cigarros Manolli, Lucian Bernhard, 1915.

O Diferencial


O grande diferencial do estilo de Bernhard pode ser visto claramente quando se compara um dos seus trabalhos mais conhecidos ao do contemporâneo Alphonse Mucha, um dos maiores expoentes da Art Nouveau.

À esquerda pôster de Alphonse Mucha para os papéis de cigarro Job (1898) e o cartaz clássico de Bernhard.
À esquerda pôster de Alphonse Mucha para os papéis de cigarro Job (1898) e o cartaz clássico de Bernhard.

Os dois pôsteres têm o mesmo objetivo: vender cigarros. Porém o pôster de Mucha se concentra mais na sensualidade da figura central em vez do próprio cigarro. O nome da empresa e o cigarro estão presentes na imagem, mas não fica claro o que está sendo anunciado.

No pôster de Bernhard não há dúvida do produto ou da empresa que estão sendo anunciados. Todo o excesso de decoração é retirado, o logotipo da empresa e o produto a ser anunciado ficam claros. Não há dúvida sobre o conceito do pôster, a mensagem vai direto ao ponto. Para completar, a simplicidade e imagens geométricas dão um ar elegante a peça.

O trabalho de Bernhard pode ser considerado a conclusão lógica do movimento cartazista da virada do século. Em um momento em que artistas gráficos e indústria começavam a se aproximar, o estilo simplista e direto de transmitir a mensagem vinha ao encontro da necessidade das empresas começarem a ter uma divulgação mais forte e efetiva.


Rafael Hoffmann (Junho/2011)

---

Referências


MEGGS, Philip. História do Design Gráfico. São. Paulo: Cosac & Naify, 2009.
WEILL, Alain. O Design Gráfico. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.



contato@rafaelhoffmann.com | Criciúma | SC | Brasil